domingo, 19 de abril de 2015

PT declara guerra aos brasileiros


Imagem: Brasil 247

Por Fábio de Paula Martins

Se alguém ainda alimentava alguma dúvida quanto ao caráter do Partido dos Trabalhadores o próprio partido tratou de afastá-la ao divulgar o seu caderno de teses para o 5º Congresso do PT. Nele o PT assume sua veia totalitária e literalmente declara guerra contra os brasileiros.

Diante da desmoralização generalizada do partido a orientação aos militantes é: um partido para tempos de guerra.

À luz deste documento a bravata do ex-presidente Luiz Inácio da Silva de ameaçar a população com seu exército particular é ainda mais grave.
“Quero paz e democracia, mas, se eles não querem, nós sabemos brigar também, sobretudo quando o João Pedro Stédile [líder do MST] colocar o exército dele do nosso lado.”


Diante desta ameaça iminente - que trata a oposição ideológica como inimigos de Estado - ninguém mais tem o direito de conceder-lhes o benefício da dúvida ao tratar com PTistas e demais linhas auxiliares como PSOL, PCdoB, PCO, PSTU, MST, MTST, Black Blocs entre outros grupos da extrema-esquerda e tintura revolucionária.

Para a esquerda radical democracia nunca foi um valor em si mesmo, mas um meio para a tomada do poder. Agora que perderam todo o apoio popular e as mentiras não se sustentam mais, ameaçam voltar as suas origens de luta armada, se preciso for.

Quando o PT fala em preparar o partido para tempos de guerra, não se trata de uma mera figura de linguagem, é preciso dar a devida dimensão da mensagem associando-a aos fatos concretos recentes.

Assim, os exemplos a seguir compõem uma breve amostra de como as ações de cunho criminoso estão intimamente ligadas às ideias da alta cúpula partidária.

***
“Por que é que essa juventude [referindo-se a União da Juventude Socialista, grupo historicamente aliado ao PT] jogou lixo na Veja [sede da Editora Abril]? É porque eles consideram a revista Veja um lixo. É direito deles!” 
Paulo Frateschi, coordenador da campanha do PT ao governo do estado de São Paulo, sobre matéria da revista Veja afirmando que Lula e Dilma sabiam do esquema de desvio de verbas públicas da Petrobras.



 ***

“A Dona Marina [Silva] que invente de colocar a mão na Petrobrás, que voltaremos aqui todos os dias (em protesto).”
João Pedro Stedile, líder do MST promovendo terrorismo eleitoral ao dividir o palanque com Lula em apoio a Dilma Rousseff.

***
“Personificados em Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Demétrio Magnoli, Guilherme Fiúza, Augusto Nunes, Diogo Mainardi, Lobão, Gentili, Marcelo Madureira entre outros menos votados, suas pregações nas páginas dos veículos conservadores estimulam setores reacionários e exclusivistas da sociedade brasileira a maldizer os pobres e sua presença cada vez maior nos aeroportos, nos shoppings e nos restaurantes. Seus paroxismos odientos revelaram-se com maior clarividência na Copa do Mundo.”
Alberto Cantalice, vice-presidente nacional do PT e coordenador das Redes Sociais do partido, rotulando os críticos do PT como os inimigos públicos do povo brasileiro e convidando a militância para o linchamento público.
***
"Contra Joaquim Barbosa toda violência é permitida, porque não se trata de um ser humano, mas de um monstro e de uma aberração moral das mais pavorosas (...). Joaquim Barbosa deve ser morto".


Sérvulo de Oliveira e Silva, secretário de organização do diretório petista de Natal e membro da Comissão de Ética do partido no Rio Grande do Norte, ameçando o relator da ação penal que condenou a alta cúpula do PT.

***

“Mais e mais mobilização. Mais e mais greve. Mais e mais movimento de rua. Porque eles têm que apanhar na rua e nas urnas.”
José Dirceu [então presidente do PT] mandando seus eleitores darem uma surra nos opositores.




Os exemplos elencados são fortes e chocam pelo seu teor de ultraviolência. No entanto, os dados aqui levantados sugerem algo mais. Quando uma ação se repete consistentemente ao longo do tempo é possível apreender o senso de unidade do conjunto das ações, percepção essa que é ininteligível quando se analisa ações pontuais, tratadas isoladamente. Em outras palavras, quando episódios aparentemente pouco articulados entre si são reunidos e postos à mesa então o padrão de unidade salta aos olhos revelando o valor do conjunto da obra.

Se o elemento recorrente ao PTismo é o fundo violento então qualquer manifestação de legalidade do partido não passa de simples alegoria, um artifício retórico usado para desviar a atenção e mascarar a verdadeira força motriz do partido: o ódio acachapante à ordem constituída e o impulso de destruição das bases mesmas da civilização ocidental.
O PT sabe que perdeu não só a legitimidade de governar como também a capacidade de mobilizar a população em torno de sua agenda revolucionária e por isso está forçando um upgrade na escalada bolivariana. E para tanto anunciam que é imperativo:
“Ocupar as ruas, construir uma Frente Democrática e Popular, mudar a estratégia do Partido e a linha do governo
O Partido dos Trabalhadores está diante da maior crise de sua história. Ou mudamos a política do Partido e a política do governo Dilma; ou corremos o risco de sofrer uma derrota profunda, que afetará não apenas o PT, mas o conjunto da esquerda política e social, brasileira e latinoamericana.”
E aqui cabe uma observação fundamental: ao declarar que o conjunto da esquerda latino-americana depende do sucesso do PT eles admitem a consciência de unidade de projeto para o continente. Ou seja, acabaram de entregar de bandeja que o próprio Foro de São Paulo é uma organização continental com profundas ligações com o PT!

Aos poucos vai ficando evidente que a vocação para a violência é uma característica intrínseca ao próprio partido e, os exemplos citados não são uma exceção à aparente casca democrática, mas o caráter revolucionário em seu estado bruto.

Outro trecho do caderno de teses que deixa isso claro é:
“No caso do continente americano, há dois projetos de integração regional: de um lado o subordinado aos Estados Unidos, de outro lado a integração autônoma. Projetos simbolizados, respectivamente, pela Alca e pela Celac.”
Uma vez que o Brasil não tem qualquer parceria com o mundo civilizado, por exclusão, resta-nos a adesão ao projeto bolivariano. É por isso que Cristina Kirchner comemorou a vitória eleitoral de Dilma com uma saudação à Pátria Grande.




Ainda sobre o Foro de São Paulo o PT declara que:
“Os constantes e virulentos ataques dos setores mais conservadores da direita brasileira ao Foro de São Paulo, demonstram o quão subversiva e fundamental é a ideia do internacionalismo, e portanto deve ser parte estruturante do nosso projeto de sociedade. Esse internacionalismo deve estar conectado com os desafios do nosso tempo, nos Direitos Humanos, na defesa dos direitos de primeira geração (direitos civis e políticos), de segunda geração (direitos sociais: saúde, educação, habitação, emprego, salário digno), de terceira geração (que são os direitos da fraternidade, o direito à diversidade cultural, étnica, de gênero, de orientação sexual) e de quarta geração (preservação do meio ambiente e solidariedade intergeracional).”
Se no passado foi necessário esconder as atividades criminosas do Foro de São Paulo (ver o excelente artigo “Lula, réu confesso” do filósofo Olavo de Carvalho) agora já falam abertamente em defende-lo como condição de sobrevivência.

São muitas as intenções que atentam contra a ordem jurídica constituída e a tarefa de elencá-las aqui extrapolaria – e muito! – o espaço deste artigo. Deste modo, limito-me a transcrever um último:
“Demitir os ministros capitalistas, romper com os partidos do capital. Constituir um governo apoiado nas organizações populares, na CUT, no MST, entre outras. Exigir publicamente e combater pelo impeachment dos ministros do STF que votaram na farsa da AP 470, a liberdade imediata e anulação da sentença dos dirigentes do PT”
Ao longo de 165 páginas o caderno de teses pode ser resumido como uma declaração de guerra ao brasileiro. Refutar uma a uma todas as fraudes argumentativas do PT pode ser um trabalho hercúleo, mas se a experiência corporativa vale de alguma coisa, sobretudo aquela usada em algoritmos de seleção de RH, é que uma busca pode ser empreendida por palavras chave.

A seguir foram feitas algumas buscas, o resultado de quantas vezes cada termo aparece foi contabilizado e é apresentado na sequência.


  • Luta 155x
  • Guerra 25x
  • Violência 22x
  • Ódio 21x
  • Golpista 13x (Golpe 6x)
  • Inimigos 9x

  • Debate 37x
  • Proposta 28x
  • Idéia 23x
  • Conciliação 10x
  • Liberdade 16x (Livre 10x)
  • Lei 14x
  • Instituição 4x
  • Votação 5x
  • Independência 3x
A comparação do primeiro bloco de termos ao segundo sugere que o partido está mais preocupado em um discurso de ódio do que tentar uma conciliação por meio do diálogo.


O mesmo vale para o que vem a seguir: Constituinte 25x vs Constituição 11x. Um partido que respeita a constituição não daria tanta atenção em tentar reformá-la.

E por fim, a realidade que eles não querem enxergar:

  • Popularidade 0x
  • Mensalão 0x
  • Petrolão 0x (Petrobras 17x).
Comentários
0 Comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

UOL Cliques