sábado, 14 de março de 2015

Adams estupra a constituição: "Impeachment é ruptura inconstitucional"


Imagem: Reprodução Redes Sociais
Por Luciano Ayan

Imagine que o síndico de seu prédio esteja sendo punido e destituído do cargo por ter cometido uma série de falcatruas. A punição é completamente prevista pelo estatuto do condomínio. Porém, ele alega que "destituição é ruptura estatutária". 

Obviamente, todos ririam na cara dele, pois se o mecanismo é parte do estatuto, ele não pode ser declarado anti-estatutário quando invocado. 

Um dos maiores problemas do PT é que as normas básicas da lógica não são seguidas. É quando o discurso histérico toma conta, como na declaração de Luis Adams, o famoso advogado geral da união, cuja maior meta ultimamente é lutar para que as empreiteiras não paguem a multa de 4,47 bilhões de reais. 

Veja o que essa coisa disse sobre impeachment:
A manifestação é legítima, normal, expresse o que expressar. Não importa. Não pode, porém, descambar para a violência. A bandeira do impeachment é uma ruptura inconstitucional. Não existe base legal que justifique essa discussão. Vivemos um período complexo do ponto de vista econômico, político, social e essa complexidade produz, como é da democracia, manifestações pró e contra. É um direito. Vamos ter de conviver com elas.
Como não exibe base legal que justifique essa discussão? Esta na própria constituição (que ele finge ou não conhecer, ou a ela reage histericamente) que o impeachment é um dispositivo legal para punir presidentes que tenham cometidos crimes de responsabilidade em seus cargos, ou mesmo atacado a soberania nacional, dentre outros motivos. 

Este é o nível de debate do PT. E mais um motivo para tirarmos essa gente monstruosa do poder. Não podermos nos tornar uma nação de discurso histérico, como esse de Adams.
Comentários
0 Comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

UOL Cliques