domingo, 1 de março de 2015

A perversidade de Kennedy Alencar: para ele, manifestação civilizada anti-PT é pior que agressão fascista pró-PT


Imagem: Reprodução Redes Sociais
Por Luciano Ayan

Você pode até achar que eu pego no pé da extrema esquerda no aspecto comportamental. Eu acho que pego pouco no pé deles. Dia desses eu afirmei que gostaria de ser um polvo para refutar 8 textos de uma só vez. 

O fato é que encontrar embustes argumentativos se torna fácil por que a moral deles é perversa ao ponto de não ter julgamentos válidos de certo e errado. Melhor dizendo, como são mentes formadas no trotskismo, não diferenciam objetivamente o certo do errado, o que os leva a fazer julgamentos de valor conforme sua conveniência. 

Consequência imediata deste processo mental, a ausência deliberada de proporções termina sendo um recurso que vez por outra é utilizado em seus discursos. 

Veremos um exemplo maravilhoso deste comportamento nas palavras do jornalista petista Kennedy Alencar, publicadas na última quinta-feira:
Houve briga entre manifestantes ontem, no Rio de Janeiro, a respeito da Petrobras e da Operação Lava Jato. Foi divulgado um vídeo que mostrou o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega sendo hostilizado num hospital privado em São Paulo. Os dois casos refletem o clima de intolerância no debate público. O caso de Mantega é mais grave, por mostrar um desrespeito inaceitável a alguém que acompanhava a esposa que faz um tratamento delicado de saúde.
Preste atenção na expressão: "o caso de Mantega é mais grave". Ele ainda se vale de distinções de emergência, por que o ex-ministro acompanhava a esposa que fazia um tratamento de saúde. Mas é apenas truque, pois na cena da vaia de uma senhora contra Mantega, o ex-ministro estava sozinho. E ninguém é obrigado a adivinhar o estado de saúde de ninguém que não tenha visto.  

Mas observe bem: tivemos uma agressão fascista praticada por manifestantes pró-PT no Rio de Janeiro. E no hospital, contra Mantega, tivemos a manifestação pacífica de uma senhora. Para Kennedy, o segundo caso é mais grave. E por que seria mais grave? Oras, porque foi feito contra um petista. Simples assim. 

Fique de olho em qualquer pessoa manifestando a ausência deliberada de senso de proporções. Você poderá mapear este padrão sempre que testemunhar alguém dizendo "(x) é mais grave que (y)" (ou algo do tipo), sendo que por nenhum critério lógico (x) é mais grave que (y) de fato. Pior: você irá descobrir que (x) é uma ação do oponente desta pessoa, enquanto (y) é uma ação de alguém do lado dele, ou mesmo dele próprio. 

Esse processo mental é típico de mentes perversas, que se prontificam a justificar as atrocidades de totalitários. Eles precisam deste recurso para fazerem tais justificações, e, enfim, se prontificarem a defender o indefensável.

E depois ainda tem gente que não sabe a causa de tantas monstruosidades cometidas por essa gente quando conquista o poder totalitário. Ora, para prever as consequências devastadoras para ver como eles pensam e se expressam.
Comentários
0 Comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

UOL Cliques