sexta-feira, 20 de março de 2015

A elite de ciclistas paulistanos não é dona da cidade de São Paulo


Imagem: Leitor anônimo da Jovem Pan
Por Paulo Enas

Um grupo de bacaninhas ciclistas amiguinhos do prefeito petista, e com um poderoso lobby junto à imprensa, fez uma manifestação nesta quinta-feira na cidade de São Paulo protestando contra a paralisação das obras de ciclofaixas, determinada pela justiça. Na opinião desse blog, a justiça agiu corretamente, embora de maneira tardia. Essa sandice de ciclofaixas na cidade deveria ter parado há muito tempo.

A cidade de São Paulo, com seus milhões de habitantes, tem demandas e necessidades muito mais prioritárias do que atender os caprichos da elite de uma minoria de pequeno-burgueses, mas que evidentemente são progressistas, que acham que uma parcela expressiva das vias públicas deve ser reservada especialmente para eles. A área somada das ciclofaixas em relação a área total de vias públicas seguramente é muitíssimo maior do que o número de pessoas que usam bicicleta em relação ao número total de usuários de algum meio de transporte. Trata-se portanto de uma clara imposição autoritária de uma minoria de menos e um por cento (1%) do total de usuários de algum meio de transporte, sobre as demandas e necessidades da maioria. (*)

Além disso, na cidade de São Paulo existem muito mais pessoas idosas, deficientes físicos, pessoas obesas e outros grupos com necessidades especiais de mobilidade, do que ciclistas. O prefeito petista estaria servindo melhor a cidade se deixasse de se ocupar em atender esse lobby minoritário e elitista de ciclistas de classe média que ajudou a elegê-lo, e se preocupasse com as necessidades reais de mobilidade desses segmentos, além de outras necessidades que afetam a vida de todos os paulistanos, como a limpeza de bueiros, para evitar tragédias como a dessa semana, em que a cidade novamente sofreu com as enchentes causadas pelas chuvas da estação.

O fato é que a cidade de São Paulo nunca foi tão mal administrada, em todos os aspectos. E as tais ciclofaixas e ciclovias são a parte mais visível, injusta e irritante da maldade que tem sido a administração petista com a maioria dos habitantes da cidade. Nas eleições do ano que vem, o que se espera é que se apresente aqui um candidato que se comprometa claramente a acabar com todas as ciclofaixas e devolver as vias públicas para todos os paulistanos, e não para uma elite. Implantação de novas ciclovias deveriam ser feitas apenas em locais onde haja uma demanda real, após ouvir moradores e o comércio local e dentro de critérios técnicos e de segurança para os próprios ciclistas. Tal candidato seguramente terá o apoio da maioria. O senhor Fernando Haddad que vá buscar votos com seus amiguinhos ciclistas.

(*) Nota: Segundo dados oficiais da SPTrans de 2013, empresa que faz a gestão dos transporte público na cidade, apenas 0.6% (zero vírgula seis por cento) dos usuários de transporte público ou de automóvel em São Paulo utilizavam bicicleta ao menos três vezes por semana. Dados de 2014 indicam que 260 mil pessoas usam bicicletas como meio de transporte diariamente.

Por outro lado, cerca de 8 milhões de paulistanos utilizam algum meio de transporte. Logo, ciclistas correspondem a cerca de 3% do total de usuários. Porém, onde as ciclofaixas e ciclovias foram implantadas, elas ocupam muito mais do que 3% da área útil da via pública, o que representa na prática uma privatização do espaço público para uso exclusivo de uma minoria.
Comentários
0 Comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

UOL Cliques