segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Emir Sader pede censura sutil e hegemonia após vitória de Eduardo Cunha à presidência da Câmara


Por Luciano Ayan

Petistas não sabem perder. Esta já é uma lei da política. Totalitários até a medula, qualquer menor revés os faz perder as estribeiras. E soltar a língua mais que o costumeiro, como vemos em dois momentos do texto Crônica de uma derrota anunciada, de Emir Sader, à Carta Maior.

Vamos ao primeiro:
O clima histérico criado contra o PT, a Dilma, a esquerda, levou ao isolamento político, resultado de muitos erros, mas antes de tudo o de não haver avançado na democratização dos meios de comunicação, o que permitiu a campanha de ódio e o aprofundamento da criminalização da imagem do PT.

Não dá para interpretar qualquer tipo de comunicação bolivariana sem uma tradução adequada. O que ele chama de “clima histérico contra o PT e Dilma” é o despertar de uma oposição adormecida. Assim como o que ele chama de “campanha de ódio e aprofundamento da criminalização da imagem do PT” significa a justa indignação política diante de um governo que devastou o estado. Por fim, o que ele chama de “não haver avançado na democratização dos meios de comunicação” é censura.

Logo, ele quer nos confessar que pelo fato do governo não ter imposto a censura de mídia, as pessoas puderam despertar e se indignar diante das atrocidades do PT. Ou seja, pudemos fazer o que os cubanos não podem. Não há nada além de totalitarismo nas palavras de Emir.

E o totalitarismo segue evidente abaixo:
Política é a arte da construção de hegemonia. O verdadeiro nome da governabilidade é hegemonia. Esse objetivo tem que ser o norte do governo, do PT, da esquerda, se querem consolidar e avançar decisivamente, de forma irreversível no extraordinário processo de democratização social, econômica, política e cultural apenas iniciado. Não é mais possível seguir governando empiricamente, de conjuntura em conjuntura, sem uma visão estratégica do que se quer – que tipo de sociedade, que tipo de Estado, que tipo de Brasil.
Hegemonia, para essa gente, significa “dominação consentida” (o que só pode ocorrer por vias da doutrinação escolar, do aparelhamento estatal e da censura). Como a extrema-esquerda sabe que seus governos só fazem destruir as economias de que tomam conta (vide exemplos da Venezuela e da Argentina), entendem que não dá para viver sem hegemonia, ou seja, oprimindo todos os demais pelas vias sutis.

Prestem muita atenção nas brechas dadas pelos petistas sempre que algum desastre ocorre com eles. Foi assim na época da prisão dos mensaleiros. E o mesmo se repete. Diante de um evento normal da democracia (perder a presidência da Câmara), seus formadores de opinião não conseguem segurar a língua e pedem hegemonia e censura, ou seja, uma ditadura petista.
Comentários
0 Comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

UOL Cliques